Chip de Potência, o que é afinal?

Chip de potência, remapeamento, reprogramação eletrônica… esses nomes são conhecidos por você? Se você está aqui certamente alguém já deve ter comentado contigo sobre este assunto, aprenda mais sobre este serviço e conheça de fato o que é e para que serve!

Para falar sobre o chip de potência vamos voltar no tempo lá no fim da década de 80 quando os veículos no Brasil ainda eram equipados com o carburador, dispositivo responsável pela alimentação e o gerenciamento do motor, que era totalmente mecânico. Nesta época existiam muitos desafios para o bom funcionamento. Isso acontecia pelo fato do motor não ter uma auto adaptação em suas diversas condições de uso. Percebendo isso, as indústrias começaram a substituir estes modelos e os veículos passaram a vir equipados com um sistema de injeção eletrônico, conhecido fora do país como ECU, sigla em inglês que traduzida significa central de controle do motor.

Ela pode ser comparada a um computador que monitora e gerencia o funcionamento do motor com mais eficiência por estar ligado a diversos sensores e atuadores. Este contexto permitiu que os fabricantes fizessem um motor que tem ampla aplicação, ou seja, um mesmo motor pode ser aplicado em vários modelos veículos e com potência e torque variado, isso pode acontecer por vários motivos, entre eles: leis ambientais, leis de trânsito, tributação e questões comerciais. Sendo assim, existe então uma margem que pode ser trabalhada proporcionalmente, podendo assim realizar a otimização de potência sem trazer nenhum risco ao correto funcionamento ao motor.